Tratamento de efluentes

Tratamento de efluentes

O desenvolvimento das áreas agropecuárias, industriais e habitacionais gerou enorme aumento na escala de lançamento de efluentes. Atualmente, denomina-se efluente todo tipo de corrente gasosa ou líquida originária da ação humana, podendo receber ou não um tratamento final antes da disposição na natureza. O lançamento incorreto e sem trato de poluentes constitui um grande risco ambiental, levando à degradação dos corpos hídricos e agravamento do aquecimento global. Exemplos de efluentes são o esgoto doméstico, águas residuárias industriais e gases de combustão de motores.
Com relação ao tratamento de efluentes líquidos, pode-se classificar essas correntes em dois tipos: efluentes domésticos e efluentes industriais. Para cada um desses tipos, principalmente com relação aos efluentes industriais, existirá adequações às etapas de tratamento. Basicamente, existem quatro etapas no tratamento de efluentes utilizados nas ETE’s do país, sendo elas: tratamento preliminar, tratamento primário, tratamento secundário e tratamento terciário.

Tratamento preliminar

Etapa aplicada para a separação de sólidos grosseiros da corrente de líquido. Geralmente utiliza-se processos de gradeamento e desarenação. No primeiro utiliza-se grades ou peneiras com aberturas específicas para retirar resíduos com tamanhos elevados, como pedras, plásticos e outros. Na desarenação as partículas de areia são retiradas em um processo de decantação, sendo que não há a aplicação de produtos químicos para flocular o material.
O pré tratamento tem por finalidade adequar o efluente para os tratamentos posteriores, sendo essencial para garantir a segurança dos equipamentos da estação.

Tratamento primário

No tratamento primário começa-se a utilizar produtos químicos com o objetivo de flocular materiais sedimentáveis, principalmente matéria orgânica. Os floculantes utilizados têm finalidade de neutralizar as cargas desses sólidos e permitir que se agrupem. Após a adição desses produtos, a corrente é levada para os sedimentadores, onde ocorre a separação do lodo, retirado no fundo, e do clarificado.

Tratamento secundário

Etapa de grande importância para o tratamento de efluentes. Algumas ETE’s terminam o tratamento de efluentes nessa etapa, caso atinja os parâmetros de lançamento exigidos pela legislação.
O tratamento secundário é constituído por etapas de tratamento biológico anaeróbio e/ou aeróbio. É um processo com objetivo de remoção de poluentes, principalmente matéria orgânica biologicamente degradável. No tratamento anaeróbio é possível produzir combustível, pois a digestão anaeróbia gera gás metano e hidrogênio em seu processo. No entanto, processos sem presença de oxigênio são mais sensíveis, sendo muitas vezes necessário a utilização de etapas aeróbias. Essa última é capaz de tratar grande quantidade de matéria orgânica, com o incômodo da grande geração de lodo.

Tratamento terciário

Tratamento com objetivo de remover nutrientes, micropoluentes e polir a água residuária originada da etapa anterior. É no tratamento terciário que utiliza-se as tecnologias mais avançadas, como ozonização, tratamento UV e outras.
No país existe legislação específica para o teor de metais pesados, fósforo e nitrogênio em uma água residuária a ser lançada em corpos hídricos. Geralmente, as ETE’s utilizam o processo terciário para remover esses poluentes. Na Europa, o processo já está muito avançado, sendo que os pesquisadores já estudam a remoção de hormônios dos efluentes.

Tratamento do lodo

O lodo gerado na decantação e na digestão aeróbia também precisam de tratamento adequado antes de serem dispostos na natureza. Esse lodo pode ser levado à etapas de digestão anaeróbia para a produção de biogás ou ser esterilizado e corrigido para ser utilizado como adubo em plantações.

Contate a Sinergia!

Após a leitura, esperamos que tenha entendido um pouco sobre o panorama do tratamento de efluentes. A Sinergia, empresa júnior dos cursos de química e engenharia química da UFV tem soluções inteligentes que podem ajudar no tratamento dos efluentes. Contate um dos nossos especialistas!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *